— Vem aqui, Babi. 
— Não, não vou. 
— Vem cá logo, Bárbara.
— Não me chama de Bárbara, você sabe que eu não gosto. 
— E seu nome é qual mesmo?
— Não importa, não quero que chame. 
— Vou chamar até eu não quiser mais. 
— Chama, mas eu não vou responder, simples.
— Para com isso, vem aqui. — Ele a puxa para perto, fazendo força para que ela ficasse. 
— Não quero, tô irritada. 
— Mas é muito meiga mesmo, né? Até com essa cara de bravinha, é meiga. — Ele a rouba um beijo. 
— Para Lucas, não quero beijo. 
— Ah é? Não? Que legal. — Ele a solta. 
Ela fica o olhando, coloca a mão no bolso de sua calça e o puxa. — Vem aqui. 
— Ah agora? Também não quero.
— Vem mozão. 
— Eu não, e para de me chamar de mozão porque tô irritado. 
— Gordinho, mozão, mozinho.
— Cala a boca Babi. 
— O chatinho, bebê, vem cá.
— Fica quieta. 
— O baixinho, vem aqui, vem dá beijo. — Ela sorri.
Ele a olha de canto de olho e sorri. — Quer que eu vá?
— Claro. 
— Então tá. — Ele continua parado. 
Ela ri. — Não vai vir?
— Acha que sou fácil? Que umas palavras me ganham? Se esforça Babi.
— Ah amor, queria tanto um beijinho.
Ele prende o riso.
— Queria tanto um carinho. 
Ele continua a se controlar para não rir, ela o olha com um sorriso. Ele a puxa para perto. 
— Chata. 
— Eu?
— É, muito chata. 
— Sou nada, mô. 
— É sim, fica me perturbando. 
— Sou princesinha amor, para.
— Princesinha chata, só pode. 
— E você teimoso. 
— Me chama de teimoso mais uma vez que te solto. 
Ela fica em silêncio. Ele sorri e em um tom de sussurro diz em seu ouvido:
— Pode chamar de teimoso quantas vezes quiser, não te largo por nada nesse mundo. — E a beija no pescoço.

- Afinal, não soltaria meu mundo por nada e nem ninguém. — Tua-Idiota. (via tua-idiota)

(Source: 01561, via 01561)

— Cara, sabe o que eu vou fazer?
— O que?
— Comprar um manual, sério.
— Manual de que Lucas? Ficou maluco?
— Um manual, chamado ” 50 dicas para ser o namorado da Bárbara Pestana. ”
Ela começa a rir. — Idiota.
— Sério, se tivesse uma coletânea sobre você, cara. Tu do nada fica quieta, me trata mal, fica com ciúmes, reclama. Uma hora gosta, na outra odeia. Uma hora quer, na outra não. Uma hora é grossa, na outra chora por eu ser.
Ela ri. — Mas eu me entendo, ué.
— Ah é? Então pera, deixa eu pegar caneta e um papel e você me fala e eu escrevo, certo?
— Tanto faz, Lucas.
— Ai, começou. Boa pergunta. O que fazer quando você disser: Tanto faz, Lucas?
— Diga que me ama.
— Ok, próxima. E quando você me chamar de babaca? O quê fazer?
— Diga que me ama.
— Tá, e se você me bater?
— Repita que me ama.
— E se chorar?
— Diga chorando que me ama.
— E se sentir dor?
— Sinta junto comigo, e diga que me ama.
— E se disser que eu não te amo?
— Brigue comigo.
— Brigar?
— É, Lucas.
— E pra quê isso?
— Pra me mostrar que me ama.
— Mostrar?
— É Lucas, porque quem ama, fica depois de uma briga.

-Tua-Idiota. 

(Source: 01561)

©